ESTÁ A OUVIR

Titulo

Artista

Background

Santiago do Cacém quer aproveitar verbas do PRR para aumentar respostas sociais para idosos

Por a 15 de Março, 2022

O concelho de Santiago do Cacém vai contar com mais 67 camas e um novo equipamento social para idosos, no âmbito de três candidaturas apresentadas ao Programa de Recuperação e Resiliência (PRR).

 

As candidaturas, que representam um investimento de 2,6 milhões de euros, foram apresentadas por “três instituições que dão respostas em locais diferentes do concelho”, avançou a vereadora da Câmara de Santiago do Cacém, com o pelouro da Ação Social, Sónia Gonçalves.

O maior investimento pertence à Casa do Povo de Cercal do Alentejo e prevê a construção “de raíz” de uma Estrutura Residencial para Pessoas Idosas (ERPI) com capacidade para “45 lugares”, no valor de “1,6 milhões de euros”, indicou.

Para a autarca, “esta resposta é muito importante” uma vez que, Cercal do Alentejo, a terceira maior freguesia do concelho de Santiago do Cacém, “não tem uma estrutura residencial para idosos”.

Também a Casa do Povo de Abela ambiciona o “aumento da capacidade” da ERPI e avançou com uma candidatura que, se receber financiamento do PRR, “consegue acrescentar mais 15 lugares”, num investimento de 570 mil euros, adiantou.

Por outro lado, a Santa Casa da Misericórdia de Santiago do Cacém apresentou uma candidatura para “a ampliação e remodelação interior” do edifício das Residências do Pinhal, estando “em causa mais sete lugares”, num investimento de cerca de 500 mil euros.

As três candidaturas, inseridas na medida ‘Requalificação e Alargamento da Rede de Equipamentos e Respostas Sociais’, receberam parecer favorável do Conselho Local de Ação Social de Santiago do Cacém (CLASSC), que esteve reunido no passado dia 17 de fevereiro.

Trata-se de “uma oferta social que é absolutamente essencial” para o concelho de Santiago do Cacém, reconheceu a autarca, acrescentando que estes projetos vão permitir não só “aumentar as respostas” para as pessoas idosas, como “tornar estas estruturas mais sustentáveis”.

“Quanto maior for a resposta, também maior é a possibilidade das instituições terem autosustentabilidade financeira, o que é muito importante, porque temos aqui alguns casos com situações financeiras que obrigam a um grande controlo de custos e a uma gestão muito criteriosa e rigorosa”, concluiu.


error: www.radiom24.pt