ESTÁ A OUVIR

Titulo

Artista

Background

Investimento da Repsol em Sines é “um projeto âncora” para o país – Governo

Por a 4 de Dezembro, 2021

O secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, considerou a expansão do Complexo Industrial de Sines da Repsol “um projeto âncora” para o país.

“É um projeto âncora para Sines e é um projeto âncora para o país”, disse o governante, acrescentando que este é um investimento que “vale 800 milhões de euros diretos à balança comercial” pelo “aumento de exportações e por diminuição de importações”.

O secretário de Estado da Internacionalização falava aos jornalistas, esta sexta-feira, à margem da assinatura dos contratos entre a aicep Global Parques e a Repsol para a aquisição do direito de superfície de mais 51 hectares e a reserva de direito de superfície de mais 23 hectares, na Zona Industrial e Logística de Sines (ZILS).

“É um projeto de modernização de petroquímica que para nós é muito importante pelo impacto que naturalmente tem nos postos de trabalho. Este projeto vai prolongar a vida desta unidade que é uma das mais antigas da ZILS e vai fixar e acrescentar postos de trabalho qualificados”, realçou.

Segundo o governante, os dois contratos permitem “vislumbrar novos projetos”, em particular “na zona de reserva”, virados para a economia circular.

“Hoje consolidamos um ‘pipeline’ de investimento em Sines, na Repsol, de 760 milhões de euros, com a clara perceção que poderemos somar, no futuro próximo, projetos diferentes, mais centrados na produção de polímero reciclável e de soluções de último destino de resíduos sólidos urbanos”, realçou o governante.

Estas soluções permitem evitar “atirar para aterro uma parte substantiva do nosso lixo, mas bem pelo contrário ter um final que permita ter uma reutilização, em particular na produção de gases e na produção de energia”, frisou.

A cerimónia de assinatura dos contratos contou ainda com a presença do secretário de Estado Adjunto e da Energia, João Galamba.

Investimento da Repsol vai triplicar produção, mas empresa já está a trabalhar em novos projetos 

De acordo com o diretor geral da Repsol em Sines, Arsénio Salvador, os contratos agora assinados “vão permitir avançar com a construção das duas novas fábricas”.

“Os contratos agora assinados não são apenas para a instalação das duas fábricas, como também o terreno para duas instalações de painéis fotovoltaicos, uma de oito hectares e outro de 57 hectares, para poder cumprir o compromisso da Repsol com a transição energética e a descarbonização”, explicou.

Para o responsável “este é um investimento chave e fundamental para a sustentabilidade do complexo de Sines para o futuro porque vai triplicar a produção. Vamos passar de uma produção de 250 mil toneladas/ano para uma produção de 850 mil toneladas/ano e vai trazer muitos projetos na sequência deste”.

De acordo com Arsénio Salvador, “é muito importante que as nossas fábricas sejam descarbonizadas e como tal temos de avançar no sentido de que todo o fornecimento de energia elétrica, no futuro, seja de origem renovável”, sendo “este mais um passo” que a petroquímica dá para “outros [projetos] que vão surgir na sequência deste”.

“Com as novas fábricas e com os projetos que vão surgir na sequência das duas novas fábricas, vamos precisar aumentar consideravelmente o nosso fornecimento de energia elétrica e queremos aproveitar a ocasião para que isto seja feito através de energias renováveis”.

Além das duas novas fábricas, a empresa, quer investir numa “Eco Plant” para “poder tratar resíduos municipais” e com isto “fabricar etileno”, a matéria-prima base “para a fabricação de polímeros”.

Em comunicado, a Repsol, revelou que cerca de 38 hectares são para expansão do seu complexo industrial neste concelho do litoral alentejano, somando-se aos 143 hectares que a empresa já ocupa.

“Foram ainda reservados 23 hectares para futuros desenvolvimentos, alinhados com a estratégia de descarbonização e transição energética da Repsol”, disse a empresa.

Com esta expansão, a taxa de ocupação da ZILS vai subir para “72%, com 274 hectares ocupados”, acrescentou.
Em 13 de outubro, numa sessão presidida pelo primeiro-ministro, António Costa, a Repsol assinou com o Governo um contrato de investimento de 657 milhões de euros para o Complexo Industrial de Sines, a que correspondem incentivos fiscais de até 63 milhões.

Este projeto, classificado como de Potencial Interesse Nacional (PIN) e apontado com “o maior investimento industrial da última década”, contempla a construção de duas novas fábricas, uma de polipropileno e outra de polietileno linear.

Cada unidade “terá uma capacidade de produção de 300.000 toneladas por ano, com o início de laboração prevista para 2025”, indicou hoje a Repsol.

“Os novos produtos são 100% recicláveis e podem ser utilizados para aplicações altamente especializadas, alinhadas com a transição energética nas indústrias farmacêutica, automóvel ou alimentar”, destacou.

O investimento de 657 milhões de euros em Sines prevê a criação de 75 empregos diretos e cerca de 300 indiretos, também de acordo com a Repsol.

 


error: www.radiom24.pt