ESTÁ A OUVIR

Titulo

Artista

Background

COVID-19: CDS-PP defende medidas de apoio à população mais vulnerável e ativação do Plano Municipal de Emergência de Sines

Por a 18 de Março, 2020

A comissão política concelhia de Sines do CDS-PP sugeriu hoje a criação de uma linha aberta para apoio à população mais vulnerável, a ativação do Plano Municipal de Emergência e Proteção Civil e a adoção de medidas extraordinárias de apoio às famílias, instituições e empresas, devido ao COVID-19.

Em comunicado, a concelhia do CDS-PP, aplaude o “civismo e responsabilidade” da população e comerciantes que “voluntariamente encerraram os seus estabelecimentos de modo a diminuir o contacto entre cidadãos” e saudou a ativação do plano de contingência da Câmara de Sines “em relação aos seus trabalhadores”.

No entanto, face ao evoluir da doença, e no sentido de “manter a vigilância e transmitir apoio e confiança”, o CDS-PP, sugere a criação de uma linha aberta para o apoio da população mais vulnerável, nomeadamente pessoas de idade, isoladas ou doentes, que não estão em regime hospitalar e que “possuem nenhum ou pouco apoio”.

Entre as medidas, está a ativação do Plano Municipal de Emergência e Proteção Civil, tendo em conta a afluência de autocaravanistas ao Alentejo, oriundos de zonas que já possuem casos confirmados de covid-19.

“Trabalhar em conjunto com a GNR para atuar em relação a esses casos, que poderão ser fonte de problemas”, adianta.

A adoção de medidas extraordinárias de apoio às famílias, instituições e empresas, com a disponibilização “do montante que for possível atribuir, tendo em conta que são relativas a um período extraordinário e excecional”, e o adiamento do pagamento de faturas de água e eventuais cortes, são outras das sugestões.

“Dar conhecimento regular através dos meios possíveis, sobre informações e medidas relativas às grandes empresas do concelho (com maior massa de trabalhadores) e informações provenientes da delegada de saúde da região”, também consta da lista.

O CDS-PP propõe ainda antecipar qualquer contingência e alocar estruturas municipais para servir de meio de apoio, bem como negociar com as unidades hoteleiras locais, “para existirem camas para os profissionais de saúde”.


Opinião do Leitor

Deixe um comentario


error: www.radiom24.pt