ESTÁ A OUVIR

Titulo

Artista

Background

COVID-19: Câmara de Santiago do Cacém elabora Plano de Contingência

Por a 9 de Março, 2020

A Câmara de Santiago do Cacém anunciou esta segunda-feira que está a preparar um Plano de Contingência para fazer face a eventuais casos de coronavírus que possam surgir entre os seus trabalhadores, de acordo com as recomendações da Direção Geral de Saúde (DGS) em relação ao COVID-19. 

 

Segundo o município, em comunicado, para dar resposta ao atual cenário, foi constituída uma equipa de trabalho coordenada pela vereadora Margarida Santos que detém o pelouro da Saúde na Câmara Municipal de Santiago do Cacém.

“A autarquia recebeu recomendações da DGS e nesse sentido criámos um grupo de trabalho para implementar um Plano de Contingência e, em simultâneo, estão a ser adotadas várias ações para tentar impedir a propagação do vírus, tendo como base o conjunto de orientações definido que contempla medidas de prevenção e diminuição do risco de contágio”, explica o presidente da Câmara de Santiago do Cacém, Álvaro Beijinha, citado no comunicado.

De acordo com o município, a colocação de dispensadores de solução desinfetante para mãos, a criação de duas salas de isolamento e o reforço de mensagens e alertas das autoridades de saúde, nos canais de comunicação da autarquia, são as ações que se encontram em desenvolvimento.

“Tendo em consideração o número de trabalhadores da autarquia e, à semelhança do que foi levado a cabo aquando do surto da Gripe A, estamos a definir um conjunto de procedimentos que farão parte do Plano de Contingência, documento que logo que esteja aprovado será divulgado a todos os trabalhadores”, adiantou.

Esta ação está a ser articulada com a Unidade Local de Saúde Pública e as medidas estendem-se, igualmente, às Juntas de Freguesia do município de Santiago do Cacém.

O autarca esclarece que “de momento não iremos avançar com o encerramento de serviços públicos, que são medidas que a própria DGS entende que devem ser ponderadas e avaliadas consoante a evolução da propagação do vírus”.

No entanto, indica, “se existirem situações que nos obriguem a tomar este tipo de medidas, obviamente que primeiro está a saúde das pessoas. Sem alarmismo, estamos a acompanhar a situação, porque tão importante como estabelecermos este plano é não criarmos alarme social. Caso se verifique alguma situação suspeita, antes da ativação do plano, agiremos de acordo com os procedimentos que já se encontram estabelecidos”, concluiu.


Opinião do Leitor

Deixe um comentario


error: www.radiom24.pt