ESTÁ A OUVIR

Titulo

Artista

Background

Comissão administrativa da Associação dos Bombeiros Mistos de Santiago do Cacém demite-se

Por a 10 de Julho, 2020

A Comissão Administrativa da Associação dos Bombeiros Mistos de Santiago do Cacém apresentou a demissão, esta sexta-feira, depois de um grupo de 35 bombeiros, voluntários e assalariados, se ter concentrado em frente ao edifício da Câmara Municipal de Santiago do Cacém, a exigir a sua demissão devido a um alegado “clima de conflitualidade”.

O grupo de bombeiros foi recebido, ao final do dia, pelo presidente da Câmara Municipal de Santiago do Cacém, Álvaro Beijinha, a quem entregaram uma carta a pedir a demissão da presidente da Comissão Administrativa.

“Estes elementos da corporação, concentrados frente ao edifício da Câmara Municipal, sublinharam que, até que se efetive esta demissão, vão deixar de prestar serviço quer os voluntários como os assalariados, estes últimos cumprirão apenas o horário normal de trabalho, ou seja, não farão horas extraordinárias nem o voluntariado”, explicou o autarca.

No encontro, os bombeiros relataram ao presidente da Câmara Municipal um “grande mal-estar no seio da corporação, alegando que não têm condições, nem materiais nem psicológicas, para continuar a trabalhar”.

Como responsável pela Proteção Civil no Município, Álvaro Beijinha reconheceu “que a situação vivida dentro da Associação Humanitária de Bombeiros Mistos de Santiago do Cacém é conturbada e arrasta-se já há algum tempo sendo extremamente preocupante, principalmente porque a população não pode ficar sem a prestação deste serviço. Não tendo competência para efetuar qualquer destituição espero que o bom senso impere e que a situação seja resolvida em prol das populações servidas por esta corporação”, sublinhou na altura o autarca que encetou contactos com o comandante distrital de Operações de Socorro de Setúbal e com o presidente da Assembleia Geral da Associação.

Numa carta, publicada no facebook da associação, Natália Caeiro, presidente da comissão administrativa, anunciou a demissão justificando a sua decisão com “interesses instalados, jogos de poder, e intromissões políticas”.

“É muito difícil trabalhar contra interesses instalados, jogos de poder, intromissões políticas e quando não se pactua com algumas coisas” escreveu.

As eleições para os novos órgãos sociais serão marcadas em breve.


Opinião do Leitor

Deixe um comentario


error: www.radiom24.pt